Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Rir ou chorar?

Adoro a compreensão do ser humano, filosofia, psicologia, antropologia, sociologia, biologia, neurociência, história e tudo o que nos ajuda a saber mais sobre o quanto somos complexos nesta espécie, por que fazemos o que fazemos e como sermos melhores a cada dia, especialmente no que realmente faz a diferença: nossa capacidade de ser humanos com uma alta qualidade ética e moral na relação consigo mesmo e com os outros.


Em uma década trabalhando como técnico, tive a sorte de conhecer milhares de pessoas e acompanhar centenas delas em seus processos. Pude ver em primeira mão a grandeza e a humildade do humano, os sonhos e o desespero, o vazio e a plenitude. Sou apaixonado por esta possibilidade de aprender com as experiências dos outros e ser capaz de integrá-las com minhas próprias experiências pessoais. Não importa quantas coisas eu veja, ainda estou impressionado com nossa capacidade humana de criação, que, se bem canalizada, salva a vida das pessoas, transforma lugares, cria o futuro e modifica a maneira como vivemos. Entretanto, também estou impressionado com a estupidez, a cegueira espiritual, o baixo valor, a miséria da mente e do coração de muitas outras pessoas.
 
Como estes dois lados opostos podem coexistir nas pessoas? Já disse um milhão de vezes em diferentes lugares que estou convencido de que as pessoas não são estúpidas, mas que nós processamos mal. Impressiona-me como há aqueles que, tendo dados em suas próprias vidas, continuam a repetir idéias, comportamentos e decisões dignas de animais irracionais. Pessoas que se gabam de um corte de cabelo, um traje, uma foto cheia de filtros, que colocam mais mentiras na boca do que falsidades no coração, pessoas que fazem mal mesmo sabendo de seu erro, pessoas que quebram todos os limites da convivência humana são incapazes de corrigir o curso; que justificam o roubo, a mentira, o adultério, a burla; que vendem a suposta altura pessoal enquanto estão de pé sobre os dedos dos pés apoiando-se no lixo de suas histórias, que procuram encobrir com um pouco mais de maquiagem.
 
Estou cansado de tanta postura, tanta auto-engano que de tanta repetição acabamos acreditando nas fantasias mais insanas, quando a coisa é mais simples, mais medida, mais genuína, sem luzes ou aplausos, sem posição ou aparência. É tão fácil, mas nós gostamos de complicar tudo. Esta história é sobre amar, sobre ser amado, sobre ser capaz de abraçar as pessoas mais importantes, esperançosamente todos os dias, sobre ser capaz de dormir em paz e acordar com fé, nunca se preocupando se somos suficientes para algo ou alguém, porque fomos suficientes para nós mesmos e para Deus. Poder rir de bom grado, que cada ação que fazemos contribui para a vida de alguém. Que o essencial nunca tenha um preço e que as pessoas nunca se tornem mercadorias para interesses miseráveis. Trata-se de sentir, de cuidar do que a pessoa ao nosso lado sente. Se o conselho que tem sido dado por tantos séculos foi: amar o próximo como a si mesmo e a Deus com todo o seu coração, mente e força. Mas não, nós fomos brilhantes demais para mudar as regras que dão ordem a tudo. Fomos levados a acreditar que poderíamos inventar tudo de novo e fazer melhor, e acabamos minando nossa própria dignidade e integridade. Não sei se devo rir ou chorar, se devo julgar ou perdoar, se devo ir para longe ou ficar para que eu possa contribuir um pouco, não apenas para esta coisa que todos nós juntamos, mas também para tirar de mim o que sobrou da fricção de um ambiente que corrompe os corações.
 
Acredito que temos negócios inacabados, assuntos fracassados e a necessidade imperativa de corrigir tudo isso agora mesmo, para nosso próprio bem e para o bem daqueles que virão depois de nós. Não é verdade que podemos fazer qualquer coisa ou que se você acredita nisso, você acredita nisso. Nem é verdade que tudo é relativo ou que, em nome das liberdades, temos o direito absurdo de foder qualquer um. Não é verdade que a embalagem das coisas e das pessoas seja mais importante do que aquilo de que são feitas por dentro, ou que o dinheiro e as coisas materiais justifiquem a falta de ética e de integridade moral. Perdoe-me por ser honesto em meus sentimentos, mas tudo isso é uma mentira, uma mentira que serve a muitas pessoas e que permite que o tolo se apresente como sábio, e a pessoa vazia quer ser nosso guia no caminho da vida. Um pouco de bom senso, por favor.
 
Então, rimos ou choramos? Vamos ou ficamos? Não sei, mas sei que isto tem que mudar agora.

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0