Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Restauração da confiança

O ditado popular diz que “a esperança é a última coisa a ir” e talvez isto seja inteiramente verdade, já que a esperança é um ato de fé, ou seja, a confiança ou a expectativa de que algo vai acontecer para o qual não há nenhuma indicação ou evidência. Entretanto, a confiança é diferente, já que na maioria dos casos essa confiança é fruto de uma história, de provas, ou talvez no mais belo dos casos de um presente que um coloca em alguém ou que outro colocou em um.


A confiança é fundamental nas relações humanas, porque é a partir deste sentimento que podemos construir laços mais profundos, que são projetados ao longo do tempo e que se abrem do coração para a mente, para ser capazes de construir pontes que nos unem com outras pessoas, e como eu costumo dizer aos meus alunos: “que no encontro do humano possa surgir o divino”.
 
Nestas semanas de convulsões sociais, as paixões se reacendem, as conversas se politizam e podemos encontrar pontos de convergência, mas também posições antagônicas. Pessoalmente, sinto que quando nos vemos neste contexto, podemos sentir o que está na base: a confiança se foi, está quebrada e aqueles pedaços que às vezes queimam e outras vezes cortados são a pulsação mais interna das feridas deixadas de ontem. Mas não apenas qualquer ferida, mas a traição sentida no coração. Não estou dizendo que é realmente assim, mas as pessoas se sentem assim, e é por isso que a raiva, a perplexidade e o desconforto surgem desta dor, da confiança quebrada.
 
Nós, pessoas, depositamos nossa confiança, e em outros casos nossa esperança, em tantas coisas. Queremos acreditar nas instituições religiosas, políticas, sindicais, judiciais, de segurança, as instituições que nos oferecem nossos serviços básicos diariamente, queremos acreditar em nossos vizinhos, mesmo em amigos e parentes, e vez após vez temos ficado desapontados. Talvez nossas expectativas tenham sido idealizadas demais e a frustração seja inevitável. Ou talvez simplesmente as promessas que saíam da boca dos outros (e sejamos honestos, também da nossa própria boca) não se refletiam em ações diárias. Quando somos inconsistentes e nossas ações e palavras não são “coordenadas”, então estamos minando a confiança e com ela o desejo de nos relacionarmos, de construirmos momentos juntos, de embarcarmos em projetos e aventuras das quais nos sentimos parte e viagens que queremos realizar na companhia daqueles em quem confiamos. Insisto, este problema não está apenas no nível macro ou sociológico de nossa cultura, mas também no nível micro, na forma como nos relacionamos com aqueles com quem interagimos diariamente, não é apenas uma questão de “os políticos” ou “as instituições”, mas é algo que sem procurar um momento para nós mesmos, encontraremos diariamente.
 
Hoje, e há muito tempo, precisamos reconstruir a confiança e, para isso, algumas coisas são necessárias. Antes de tudo, é essencial que falemos a verdade, que nos olhemos de frente e respeitosamente digamos um ao outro o que realmente está em nós, nossos desejos, o que estamos dispostos, o que queremos receber e o que queremos dar. Um segundo passo é aceitar amorosamente o que está acontecendo com a outra pessoa. Não há nada mais violento do que negar o sofrimento ou a necessidade de outra pessoa, por isso precisamos ser mais acolhedores e compreensivos. Não é necessário compartilhar, apenas compreender. Um terceiro passo diz respeito ao encontro, conhecer-se, conversar, criar laços. Não é possível construir uma confiança sólida se não gerarmos oportunidades de encontro e diálogo, desde o cotidiano até o social.
 
Recuperar a confiança é, na minha humilde opinião, uma necessidade urgente para o bem-estar individual, familiar e social. A boa notícia é que fazer isso depende do esforço de cada pessoa, sem a necessidade de esperar por uma lei ou uma autoridade, mas sim pessoa por pessoa, para que neste encontro a cola mais forte de todas possa reaparecer: a confiança mútua.

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0