Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Os verdadeiros sem-teto

A distribuição da riqueza é um problema global. Sabemos que algumas poucas famílias concentram uma enorme quantidade dos recursos do mundo, enquanto a grande maioria das pessoas está lutando para sobreviver e tentando sustentar suas famílias.


Os sem-teto são provavelmente a face mais clara desta desigualdade, pessoas em situações de rua, ou como são chamados em inglês, os “sem-teto”, ou seja, pessoas sem um lar. A falta de moradia, a pobreza material e a vida colocada em risco todos os dias e todas as noites, faz parte da vida diária dessas pessoas que por várias razões não têm a rede de apoio ou as condições que lhes permitem ter um lar para abrigá-las.
 
Este termo “sem-teto” me deixou pensando em seu significado. Porque não estamos falando de pessoas sem teto, mas de pessoas sem casa, ou seja, é algo que vai além de uma infra-estrutura ou lugar físico, mas está relacionado com o espaço afetivo que as contém. Esta idéia de desabrigado me fez pensar em tantas pessoas que realmente têm um lar onde vivem no dia-a-dia, mas não têm um lar que proporcione um espaço seguro e amoroso para abrigá-los. Provavelmente há muito mais dessas pessoas do que aquelas que vemos dormindo nas ruas, então talvez nosso conceito de “pobreza” deva ser expandido para incluir todas aquelas pessoas que vivem na miséria, mesmo em lugares muito agradáveis.
 
A solidão é uma pandemia invisível, afetando milhões e milhões de pessoas, mesmo aquelas que estão sempre acompanhadas. Pessoas que se tornam verdadeiros ocupantes, porque habitam o que pertence aos outros, tentando se vestir com roupas que não são suas, mas que lhes permitem enganar e se enganar por um tempo, até que chegue aquela hora do dia ou da noite em que não há mais nada a fazer além de se enfrentar, e sentir o vazio de estar sozinho, cercado de migalhas, talvez cheio de abraços frios, de sorrisos falsos, de lençóis com outro nome.
 
Aqueles que vivem naquele desamparo cheio de conchas de ilusão, são provavelmente os verdadeiros desabrigados, aqueles que realmente vivem de esmolas, aqueles que simulam alguma deficiência para receber algo do resto, sem perceber que com isso transformaram sua própria alma em algo inválido.
 
Portanto, devemos cuidar de nós mesmos, obviamente, mas também daqueles que estão próximos a nós. Cair na solidão é algo que está ao virar da esquina, através de relações de má qualidade, apegos sem propósito, uma vida de vaidade e uma falta de afeto duradouro e genuíno. Devemos cuidar de nós mesmos, ou podemos acabar sendo apenas mais uma pessoa sem teto neste mundo.

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0