Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Onde o sol aquece

Sempre que ouço ou me lembro da frase “donde calienta el sol”, me lembro da canção de Luis Miguel na qual ele dizia que quando o sol aquece tantas coisas acontecem com ele, sejam cabelos, beijos ou qualquer outra coisa, ou todos eles juntos. Digo isto como uma piada que me faz lembrar tantas pessoas que tomam suas decisões, escolhem seus lugares, amizades, empregos, etc., pensando que o sol “aquece” para eles.
 
Há mais de uma dúzia de anos, eu me lembro de ser uma dessas pessoas. Tomei decisões pensando em onde poderia receber mais calor, mais luz, mais sentimentos de satisfação. Sem pensar se era bom ou mau, sábio ou não, se eu estava realmente pronto para aceitar qualquer desafio ou posição, ou mesmo se era realmente ético fazer o que eu estava fazendo. Eu não me perguntei nada, o importante era outra coisa: ser, aparecer, aparecer, para os demais me verem. Que tolice!


É verdade que se aprende algumas lições ao longo dos anos. As quedas ajudam, as decepções abrem o caminho para uma compreensão mais refinada das coisas. No entanto, a partir dessa jornada pessoal de hoje vejo todas as semanas, de novo e de novo, pessoas que agem com esse princípio, que é o que torna tudo relativo, tudo subjetivo e, portanto, tudo pode mudar da noite para o dia. Que pólos opostos podem se tornar um só, que inimigos podem se tornar parceiros, que amigos íntimos da vida podem se tornar inimigos, que o que escrevemos com nossas mãos de manhã pode ser apagado com nossos cotovelos à tarde, contanto que o apagamento se torne algo útil para receber mais raios de sol.
 
Finalmente, aqueles que não sabem o que são ou o que querem, ou talvez melhor, são claros sobre o pouco que sabem e o pouco que têm, entendem que “quem é uma boa árvore tem uma boa sombra”, e se essa sombra é hipócrita, não parece importar enquanto a tiverem.
 
Em um mundo onde muitas pessoas não aprenderam a separar valor e preço, tudo se tornou uma mercadoria comerciável, não há ideologia integral, nenhum comportamento consistente, parece haver apenas o que é conveniente e o que não é.
 
Pessoalmente, acredito que o processo de maturidade e crescimento pessoal real não está em nossa capacidade de encontrar o lugar onde a luz solar mais nos atinge, mas na capacidade de dar luz nos cantos onde não há nenhuma, nas missões que não são “convenientes”, mas que são verdadeiramente necessárias e merecem ser feitas. Agir para receber versus fazer o que precisa ser feito faz uma grande diferença, não apenas no interesse que é colocado, mas no propósito que é cumprido. Quando tudo é para você, então a missão se torna mera vaidade, porém quando você trabalha por um princípio maior, além da foto, além da recompensa ou o que quer que seja, então as coisas assumem uma cor diferente, e o sol vai dentro de nós e nós nos tornamos parte dele. Então não será mais necessário procurar esse calor lá fora, mas saber escolher bem o lugar onde vamos compartilhar nobremente o sol que carregamos dentro de nós.

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0