Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

O medo mudou de lado…

Este ano, no Chile, tivemos mais eleições do que geralmente estamos acostumados em qualquer país. Os processos de mudança tomaram conta da agenda, não apenas nacionalmente, mas também em grande parte do mundo. 

Pessoalmente, acredito que existe um forte desejo entre as pessoas de poder construir um projeto de vida que faça mais sentido do indivíduo ao coletivo, onde sentimos que podemos nos desenvolver e ter uma vida com mais oportunidades. Qual é a maneira de conseguir isso? Acredito que esta é a grande questão que entra em tensão toda vez que olhamos para aqueles que hoje participam ativamente do mundo político em toda sua gama de cores e tendências. 

Uma das coisas que me chamou a atenção foi o que foi dito pela candidata a Governadora da Região Metropolitana, Karina Oliva, e o que também foi dito pela Deputada Maite Orsini quando ela disse que “o medo mudou de lado”. Ao ver estas declarações, várias coisas me vieram à mente que eu gostaria de compartilhar neste breve post. 

A primeira coisa que eu pensei foi que “há lados”. É claro que na vida em sociedade temos visões, crenças, modos de vida diferentes, etc. Nossas diferenças nos fazem pertencer a lados? Se sim, então o olhar de fragmentação e até mesmo oposição dentro daqueles de nós que vivem no mesmo contexto geográfico e normativo torna-se um campo de divisões ao invés de extrair o valor da diversidade de visões, talentos e posições. 

A segunda coisa que me vem à mente é a idéia do medo, pois desta afirmação se extrai que antes um grupo tinha medo e agora é o outro “lado” que o possui e se aponta como algo positivo, como se o medo do outro fosse o progresso de um. Imagine uma sociedade que é construída sobre a idéia de que somos uma multiplicidade de lados e que, como alguém tocando cadeiras musicais, o triunfo pessoal se baseia na derrota dos outros e, pior ainda, no medo que o outro possa ter. 

Uma sociedade onde a idéia é transferir o medo para aqueles que são diferentes de você é uma sociedade de tirania, ditadura emocional e jugo psicológico. É isso realmente o que queremos ou o que estamos procurando para resolver os problemas de uma sociedade?

Não só achei esta expressão séria e humanamente pobre, talvez o resultado de um esquecimento ou talvez uma honestidade indiscreta, mas acima de tudo achei preocupante que quase metade das pessoas que foram votar (com uma participação muito baixa) apóie aqueles que as afirmam com total descaramento. Será que realmente queremos construir uma sociedade onde a questão seja depositar medos pessoais na transferência desses medos para outras pessoas? Pessoalmente, não é isso que eu desejo, nem para mim nem para minha família, mas pelo contrário, um lugar onde possamos nos sentir seguros, confiantes no futuro, entusiasmados com o presente, onde possamos sair na rua sem medo, dar uma opinião sem medo, participar de espaços privados e íntimos, bem como da vida pública sem medo do outro ser humano, mas na profunda confiança de que sendo diferentes e maravilhosamente diversos, teremos a generosidade e a estatura para construir um lar onde todos possamos derramar o medo e construir o bem-star.

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0