Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Metacognição em tempos de crise

Ao iniciar este novo post, quero apontar duas coisas que me parecem relevantes no título desta publicação. A primeira é que não pretendo dificultar, mas ser claro quanto à profunda necessidade de metacognição. Só para que fique claro, quando falamos de metacognição, queremos dizer “a capacidade de auto-regulamentar os processos de aprendizagem”. Como tal, envolve um conjunto de operações intelectuais associadas ao conhecimento, controle e regulação dos mecanismos cognitivos envolvidos na coleta, avaliação e produção de informações de uma pessoa, em suma: aprendizagem”.


Um segundo elemento que quero explicitar antes de continuar, é que eu pessoalmente acredito que não estamos em crise, mas que estamos passando por um contexto de profundas e numerosas mudanças, que nos levam a um momento em que se torna urgente ser capaz de nos adaptarmos a uma velocidade que nem todas as pessoas são capazes de lidar de forma adaptável, o que resulta em um estado de crise interna, que embora se torne uma crise psico-emocional individual, não constitui um estado de crise como tal (em um mundo objetivo).

Nos últimos tempos tenho estudado vários textos de história, filosofia e espaços para uma reflexão mais profunda. Fiz isso deliberadamente, movido pela idéia (muito pessoal) de que se torna fundamental ser capaz de incorporar melhores formas internas de aprender sobre nós mesmos e sobre o contexto ao nosso redor, a fim de nos tornarmos pessoas cada vez mais adaptáveis, e ser capaz de construir em nós mesmos novos padrões e hábitos que nos ajudam a alcançar o que queremos, não importa em que contexto possamos nos encontrar. Você consegue imaginar encontrar essa “chave”? Então o contexto deixa de ser tão influente na realização de seus objetivos, e com ela devemos ser capazes de alcançar maior liberdade pessoal (com a responsabilidade habitual que vem com ela).


Mas como entrar no mundo da metacognição? Essencialmente, devemos aprender a pensar. Alguns de vocês podem até ficar ofendidos com este comentário: quem pensam que estão vindo insinuar que eu não sei como pensar… deixem-me explicar a idéia por trás disso, para que vocês possam então ver se rejeitam o conceito com repulsa e crítica ou, talvez, encontrar algo de valor nele.


Se você se encontra vivo, tem um tempo muito longo para praticar a respiração. Na verdade, no instante em que você parar de praticá-lo por mais do que o tempo certo, o resultado será literalmente a morte. Isso faz de você um especialista em respirar? Claro que não, e é por isso que existem pessoas engajadas em práticas de consciência e no caminho para o treinamento em várias técnicas de meditação ou de consciência. É o mesmo com a alimentação e outras atividades que fazemos ao longo de nossas vidas, mas não sabemos realmente como fazê-las bem (basta olhar para os índices de problemas de saúde resultantes de quão mal as fazemos como um todo).


É o mesmo com o pensamento, e os filósofos sabem disso e sabem-no bem. Precisamos tirar um tempo para reflexão, questionamento e estudo, em vez de mau que tem sido, essencialmente, o ginásio da mente humana, e não é fechado por nenhuma quarentena.
Estes elementos de trabalho pessoal são, na realidade de milhões de pessoas, meros comentários ou peças de museu. Torna-se mais divertido colocar algo na Netflix do que pegar um livro, parece melhor nos distrairmos nas redes sociais do que tomar um momento para tomar consciência de nossos próprios pensamentos ou emoções e nos conectarmos com um mundo interior que muitas vezes não conseguimos entender e que parece oferecer poucos estímulos e menos “gostos”.


Então por que fazer tal esforço para treinar nosso metaconhecimento? A evidência de suas vantagens é enorme, não apenas nos ajuda a desenvolver novas habilidades, a pensar melhor, a questionar idéias, princípios e ações, que nos levam a melhorar nosso nível pessoal, de desempenho e até mesmo espiritual. Ele também previne o Alzheimer, abre nossa capacidade criativa e abre novos espaços para nossos “lados escuros”, muitas vezes convidando-os a sair daquele canto para um espaço mais brilhante para inspecioná-lo de uma maneira melhor; também nos deixa com mais opções para tomar decisões, exercer o tão famoso livre arbítrio, aprender sobre nós mesmos e extrair aquela sabedoria interior que Sócrates falou a seus discípulos, e tantos outros pensadores relevantes na história da humanidade.

Assim como as empresas de software lançam novas atualizações de seus sistemas o tempo todo para melhorar a experiência, correr mais rápido e adaptar-se ao mundo em mudança, da mesma forma que podemos fazer atualizações de nosso software mental, mas não podemos baixá-lo da Internet, pelo contrário, temos a atualização em nossas mãos, sem nenhum custo econômico, mas apenas pedindo tempo e vontade de fazer essa jornada de conscientização, de entender que o que pensamos que sabemos hoje pode mudar amanhã, que somos um projeto em desenvolvimento, que mesmo que nossa versão atual “funcione bem”, isso não é garantia de que esteja preparada para o que virá no futuro ou que nos permita realizar os sonhos que temos para o futuro.


É claro que o mundo mudou, as coisas estão ficando complicadas e a jornada da vida traz “tudo” no “kit” e é por isso que precisamos aprender a aprender, aprender a mudar, aprender a nos conhecer para nos reconhecermos, conseguir nos desligar de tantas revelações que nos são vendidas de fora, iniciar a jornada das revelações que vêm de dentro e que abrem horizontes em constante perspectiva e convite, lembrando-nos que não sabemos tanto quanto pensamos (nem sobre nós mesmos), mas que a jornada da descoberta é muito mais valiosa do que a ilusão de chegar ao porto.

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0