Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

“Meta” e seu impacto na educação

O que foi apresentado há poucos dias por Mark Zuckerberg ao anunciar a mudança do nome de “Facebook” para “Meta” era uma notícia que vinha especulando há algumas semanas e que não surpreendeu. No entanto, as implicações da nova tecnologia e da experiência de imersão proposta pelo lançamento desta nova plataforma abertamente, abre um mundo diferente de oportunidades e desafios, colocando várias ideias que antes eram ficção científica num plano do possível e que promete revolucionar a forma de interação humana nos mais diversos campos, como trabalho, relações pessoais, vida social, investimentos, experiências empresariais e também, aliás, educação.

Se há menos de dois anos o sistema educacional foi forçado a adotar tecnologias como Zoom, Meet ou Teams para enfrentar as consequências da pandemia Covid-19, em um ato de adaptação repleto de lacunas e resistências, que levanta a realidade envolvente que Meta vai trazer é realmente outra coisa.

Sabemos que o ser humano foi feito para se socializar e viver em grupos. Que el aprendizaje social y vicario es fundamental para nuestro proceso de incorporar nuevas habilidades y competencias, así como también para poder construir nuestra identidad y saber quiénes somos, en una interacción con otros seres humanos que nos permiten vernos y reconocernos en los espejos del feedback y as relações. Foi justamente esse elemento essencial e característico do humano que tem estado (em parte importante) em questão com a educação a distância, seu efeito nos vínculos e com ela na própria aprendizagem e, portanto, na educação.

A educação a distância continua crescendo e não vai parar. Não há sinais de que voltaremos a espaços cada vez mais face a face e face a face, mesmo que o ansiamos. Na verdade, algumas vozes (inclusive eu) têm argumentado que as experiências presenciais serão cada vez mais exclusivas e reservadas como verdadeiras experiências “primordiais”, tanto na vida social cotidiana, quanto nos processos de aprendizagem e treinamento contínuos. Em outras palavras, conhecer outras pessoas em espaços seguros que promovam o vínculo será um “luxo” ou um “bem raro”, que ao longo dos anos refletirá seu valor de várias maneiras. É claro pensar que essa transformação torna o humano e o essencial algo mais distante, quando sempre foi assim e esteve por perto, porém, a tendência de irrupção tecnológica e as novas experiências de interação humana vão mudar essa situação para maior ou menor. extensão.

Assim, “Meta” vem concretizar o que até agora era nos filmes do futuro e nas previsões mais ousadas. Poder estudar história visitando a história, interagindo com grupos multiculturais que estão realmente localizados em qualquer parte do mundo, podendo acessar grupos humanos variados que enriquecem nossas vidas e processos educacionais em ambientes estimulantes, divertidos e que nos permitem personalizar o estilo de aprendizagem . Existem muitas possibilidades para este novo mundo que está começando a se abrir.

Faculdades de aprendizagem imersiva, cadeiras e laboratórios práticos que os alunos podem frequentar e participar de qualquer lugar, interação humana enriquecida pela realidade aumentada e realidade virtual. As melhores infraestruturas mesmo para as mais pequenas instituições e com menos orçamento, graças a estes novos espaços, que para a mente terão cada vez menos diferença, mas que não requerem a colocação de um só tijolo nem o pagamento de contribuições fiscais (embora seguramente tenham outros custos para o gigante da tecnologia), que ajudam a tornar a experiência de aprendizagem verdadeiramente única.

Aliás, isso levanta uma série de outros desafios, como o acesso a essas tecnologias, o desenvolvimento de programas que preparem os próprios desenvolvedores e professores na forma como se ensina e como se aprende nesse novo contexto e qual o papel que eles deve cumprir, a decisão das instituições de ensino de avançar com curiosidade e desejo rumo a esses novos horizontes ou mesmo o nascimento de instituições 100% imersivas, bem como entidades 100% virtuais no processo de ensino-aprendizagem.

Num horizonte com mais oportunidades e com tudo a criar, será questão de disposição e mentalidade, quem se arrisca ao que parece ser um desejo escondido na literatura e no cinema, um mundo virtualizado que nos permite ser e fazer o que fazemos acho que até agora. impossível ou pelo menos mais difícil. O que hoje parece restritivo em termos de custos de implementação, não o será em pouco tempo, enfim é a barreira de superar nossos medos e ignorâncias, deixando para trás nossos costumes e olhares, os processo de inovação mais complexo de realizar: a inovação cultural, que permite que outras criações humanas rompam e tragam as transformações que nelas estão incubadas. 

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0