Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

La estupidez ilustrada

Durante as últimas décadas, o avanço das idéias liberais trouxe um estado verificável de maior crescimento econômico, social e político, o que permitiu às nações que adotaram estes princípios obter maior bem-estar, tanto objetivo quanto subjetivo.


Dentro desses estados de bem-estar está o aumento dos níveis de educação, desde a redução do analfabetismo até o aumento constante do acesso ao ensino primário e secundário e, em anos mais recentes (os últimos 30 anos no caso do Chile), também ao ensino superior.

Este boom certamente teve o efeito de que mais pessoas têm a possibilidade de continuar sua educação formal, acessando credenciamentos profissionais e abrindo um caminho melhor, com novas ferramentas, que as ajudam a sair do contexto social e material de suas gerações anteriores, forjando um presente melhor e também um futuro mais promissor para seus descendentes.


Embora possamos encontrar alguns sinais que lançam dúvidas sobre se este caminho ainda é a fórmula, pelo menos em parte, para a mobilidade social em nossos países; colocando vírgulas invertidas em torno da equação “mágica” que abriria o caminho para um futuro de maior bem-estar, a verdade é que hoje temos mais e melhores possibilidades do que antes para construir, com base em nossas liberdades, o que queremos fazer de nós mesmos.


Entretanto, acho que concordamos (você e eu) que ter um certificado que mostra nosso nível de educação no sistema educacional não é sinônimo de outras qualidades, tais como integridade, comportamento socialmente moral, evolução espiritual, e até mesmo a própria inteligência cognitiva. Prova disso são os inúmeros profissionais que nem sequer compreendem o que lêem, que empobreceram o pensamento crítico ou que realizam as ações mais prejudiciais e detestáveis em termos de moralidade social, tais como inúmeros tipos de crimes, abuso de terceiros ou danos indiscriminados às pessoas e ao meio ambiente, só para mencionar alguns poucos.


A estupidez, de acordo com o dicionário, é uma qualidade do estúpido, que é entendido como uma pessoa que não entende bem as coisas. Bem, um assunto essencial para a compreensão das coisas, sejam elas materiais ou imateriais, é refletir sobre elas, treinar essa velha prática de questionar as coisas para descobrir mais sobre elas e ampliar nossa visão.


Esta manhã, aproveitei para fazer algo que normalmente não me ocorre, ou seja, responder a comentários sobre vídeos que coloquei na internet, e me deparei com um grupo de psicólogos (me refiro a seus comentários), insultando-me por uma distinção entre coaching e psicologia, revelando não apenas sua falta de educação social, mas sobretudo sua falta de capacidade de construir conversas reflexivas, especialmente sobre suas próprias (geralmente é mais fácil fazê-lo com o que não é deles). Esta situação me fez pensar, enquanto bebia meu “sagrado” café da manhã, no enorme problema da irreflexão, da falta de cultura reflexiva, contemplativa e prática filosófica, muitas vezes injuriada; ou no simples exercício de questionar nossas próprias idéias, mesmo sabendo que não chegaremos a uma resposta totalmente satisfatória ou a conclusões que nos proporcionem aquela quietude de espírito, característica da sensação de certeza.


É claro que este problema não é um problema para os iluminados ou não iluminados; que aquele que pensa que está livre de estupidez atire a primeira pedra. Mas, precisamente porque é uma questão à qual todos estamos permanentemente expostos, sendo como caminhar sobre um parapeito com a possibilidade certa de cair no primeiro descuido, é que devemos exercer o “hábito” de refletir, duvidar, questionar e compreender que estamos trabalhando em nosso pensamento crítico, não para encontrar a verdade ou respostas totais, mas para sermos livres no pensamento (e conseqüentemente na ação), mesmo que os resultados subsequentes nos mostrem que estivemos errados ao fazê-lo.


Agora, se tivemos o privilégio de ter acesso a mais educação, não temos a obrigação ética de usar nossas mentes para algo mais profundo para nos ajudar a entender a nós mesmos e o ambiente em que vivemos, eu pessoalmente acho que sim… o que você acha?

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0