Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Fazer algo louco?

Os anos se passaram rapidamente desde que comecei meus estudos em psicologia. Hoje tenho uma década desde que comecei a exercer profissionalmente e muita água passou debaixo da ponte, porém há algo que não mudou, e que tem a ver com a noção de loucura e normalidade.


Nos tempos antigos, as pessoas que tinham o que hoje seria classificado como doença mental, costumavam ser aquelas que cumpriam papéis importantes em suas comunidades, eram os xamãs, líderes religiosos, etc. Essas mesmas características hoje os estigmatizamos, diagnosticamos e os enviamos para o seu canto para que possam “curar” ou simplesmente se tornarem invisíveis.
 
Assim, toda vez que tomamos uma decisão ou um comportamento fora do padrão de normalização social, então caímos naquela área cinzenta comumente conhecida como loucura. Agora, se analisarmos a maneira como o mundo está funcionando hoje, o nível de problemas de saúde, de insatisfação, de castração emocional, social ou psicológica, então seria interessante nos questionarmos se “normal” é realmente bom ou correto, e se seguir como ovelhas é realmente o caminho para alcançar a tão almejada aceitação e sentir que estamos fazendo “a coisa certa”.
 
É por isso que nem sempre fazer o que nos dizem ou seguir o que é socialmente estabelecido é o melhor caminho, porque muitas vezes por medo de como seremos tratados e avaliados por outros, deixamos de fazer o que precisa ser feito, e isso muitas vezes nos leva a tomar caminhos alternativos ou a construir alguns novos. Tomar decisões arriscadas e fora do comum, mas que no entanto terão benefícios e impactos exponencialmente diferentes do que os outros podem obter seguindo as mesmas fórmulas que todos os outros.
 
Há uma frase bíblica que me agrada muito, quando diz “ser forte e corajoso”, como um convite necessário para poder cumprir nosso propósito e alcançar o que está reservado dentro de nossa missão nesta vida. As coisas que realmente valem a pena e fazem a diferença normalmente estão fora do caminho batido, o caminho que todos tomam para chegar a um determinado lugar (ou se perder na tentativa), no entanto, somos chamados a lutar e ser corajosos, para saber o que ser corajoso a respeito disso é essencial para alcançar a convicção do conhecimento, a inspiração e o chamado de propósito. Se não soubermos para onde estamos indo ou o que somos chamados a fazer, então será muito difícil avaliar nosso esforço e coragem. Não será fácil, claro que não, sempre haverá pessoas que duvidarão de nossos sonhos e outras que nos dirão que somos loucos, também aqueles que zombarão ou tentarão atar nossas asas com mentiras, com seus próprios medos ou com comportamentos absurdos de sua própria cegueira.
 
Se ser louco é o que deve ser feito para mudar as coisas para melhor, se ser louco e ganhar o olhar reprovador de pessoas que não fizeram nada deste mundo em suas vidas, então talvez não devêssemos ter medo desse rótulo, no final foram aqueles “loucos” que ousaram seguir outros caminhos e de outras maneiras que mudaram o curso da humanidade e que continuarão a fazê-lo.

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0