Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Em nome do amor…

Em nome do amor, a história da humanidade está repleta das coisas mais belas das artes, até as atrocidades mais terríveis das guerras. O amor é, talvez, um dos sentimentos que mais fortemente moveu vontades, tendo tantas versões de compreensão quanto há pessoas e momentos em que ele (amor) é invocado, e que, devido a sua enorme flexibilidade e liquidez, permite que ele seja endossado a praticamente tudo.

Devo dizer, como de costume, que não pretendo chegar a uma conclusão sobre o que é o amor, mas apenas deixar certas reflexões e perguntas para que você, em sua liberdade interpretativa, possa usar este artigo como achar conveniente.


Quantas coisas você já fez em nome do amor que nunca mais faria mesmo que fosse obrigado a fazer? Talvez você possa encontrar algumas em sua própria história, pois para falar de amor, alegria, medo, incerteza ou sofrimento (só para mencionar algumas emoções) não é necessário ir tão longe, já que todos eles se hospedam em nós, embora não da mesma forma, já que cada um de nós tem um aprendizado diferente sobre como vivenciar e dar sentido a cada um deles.


Há dois conceitos filosóficos que eu acho muito interessantes ao abordar uma questão ou assunto. Um deles é o conceito de “atributo”, muito abordado por Spinoza, onde as coisas têm um significado em si mesmas, elementos que são seus próprios e inexoráveis. Como diria Shakespeare em A Midsummer Night’s Dream, observando que “o amor não olha com os olhos, mas com a mente”, dando a essa emoção uma propriedade em si mesma.


Por outro lado, há a visão “consequencialista”, que olha as coisas em termos de seu impacto e resultados demonstráveis. Isto é, se em nome do amor eu gerar um bem, por exemplo, dou momentos de felicidade a outra pessoa, ou faço uma boa ação em minha comunidade, então diríamos que o amor é bom; por outro lado, se em nome do amor eu matar pessoas eu diria que o amor é ruim.


Se levarmos isto em nossas vidas, muito provavelmente podemos encontrar exemplos de ambos. Ou seja, adquirimos uma idéia romântica de amor fortemente impregnada de cultura, histórias, filmes, etc. Onde o amor e o amor são apresentados como algo desejável, necessário e que pode estar esperando em qualquer esquina e se espreitando para mudar nossas vidas em um antes e depois sem retorno. Em outros momentos, vemos como o amor (ou nossa maneira de amar e ser amado) gera resultados prejudiciais, tira nossa autonomia, nossa capacidade de pensamento crítico e até nos leva a ultrapassar as fronteiras da ética ou da moralidade, mesmo das crenças de valor mais intrincado nas pessoas.

Em nome do amor tudo foi escrito e feito, geralmente sendo um bom argumento para justificar tanto o “tipo” quanto o “infernal”, como disse Dostoevsky em Os Irmãos Karamasov, quando apontou que: “O que é o inferno? Sustento que é o sofrimento de não poder amar”.


Eu pessoalmente acredito que o amor é uma emoção humana que nos permite transcender, seja na criação, na ideação, no vínculo com o outro, na auto-realização do amor interior, é essa busca compulsiva de sentir que as coisas têm um propósito nobre que vai além de nós mesmos e que, somente na entrega amorosa (a algo, a alguém ou a nós mesmos), conseguimos obter pelo menos parte dessa realização. É claro que a fantasia de alcançar esse horizonte nos faz pensar que vemos terra, mesmo muito antes de zarparmos de nosso porto interior, mas bem, as pessoas gostam de sonhar, de contar para nós mesmas histórias que acalmam aquele mar de emoções que de vez em quando nos lança numa onda para novos lugares, ou simplesmente nos devolve de novo e de novo à mesma costa da qual mais de uma vez tivemos tanta dificuldade em escapar, mas é sempre em nome do amor.

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0