Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Cuidado com o medo

É tão fácil quanto entrar nas redes sociais ou ligar a televisão para assistir ao grande show do medo. Em nome da informação e da tão falada livre expressão, tudo foi justificado e, desta vez, não é diferente.

Apresentar uma morbidez constante entre os mortos, os infectados, os opinativos (da opinião do vizinho, às mais diversas autoridades), nos imergiu em uma situação que devemos observar de perto, se quisermos deixar este transe hipnótico que pode nos levar a um lugar pior do que o próprio mal que queremos combater.


O que nós humanos fazemos quando somos capturados pelas emoções do medo e da incerteza? Nosso cérebro tem uma resposta simples para estes estados. Antes de tudo, devemos lembrar que nossos cérebros são feitos para sobreviver, não para ser “felizes” e certamente não para comportar-se de uma forma “inteligente” ou “civilizada”. Por outro lado, nossa mente não distingue a verdade da mentira (e é por isso que aqueles que conhecem bem a arte de mentir trabalham bem), mas apenas responde a suas próprias representações do mundo ao seu redor (tanto internas quanto externas). Assim, quando sentimos incerteza, procuramos fervorosamente abraçar algo que nos dá certeza, seja em nós mesmos, nos outros ou em forças sobrenaturais que podem nos fazer sentir que temos uma explicação para o que está acontecendo.


Da mesma forma, nossas emoções de medo nos levam a três estados muito primitivos (por mais que às vezes queiramos nos convencer de que somos muito racionais), a saber, ataque, fuga ou paralisia. Hoje podemos ver estas três reações básicas com bastante facilidade.
Há aqueles que estão paralisados sem agir ou tomar uma decisão, esperando que algo aconteça, que as coisas mudem ou que algo (dentro deles) se transforme para que possam seguir em frente com a vida. Também podemos ver aqueles que preferem fugir, negando elementos de sua realidade para ter mais paz interior (finalmente, se a percepção é focal, por que não focalizá-la em outra coisa?) E vemos com fervor aqueles que atacam, insultam, desqualificam e mais, para se sentirem um pouco melhor.


Aqueles que insultam, como esporte cotidiano, toda decisão, opinião ou diferença praticam o tão defendido “pensamento crítico”? Não creio, mas mostram suas competências pessoais para enfrentar a incerteza e o medo, expondo o fato de que apenas escolheram, consciente ou inconscientemente, deixar seu cérebro primitivo governar a necessidade de acalmar suas emoções transbordantes.


Qualquer que seja a resposta, todos eles são muito humanos, então também por escrito sobre isso tento não julgar um ou outro, embora me pergunte se existe algum que consiga contribuir em ambas as direções, ou seja, para melhorar nosso estado interno, reduzindo o medo e/ou a incerteza, e contribuir para um espaço de convivência onde possamos nos respeitar e aprender uns com os outros?


Se tomarmos este pano de fundo de como funcionamos como espécie diante do medo, então devemos ser mais cuidadosos quando a campanha de terror é extrema, porque a probabilidade de um grupo violento se chicotear em força contra outros que preferem fugir ou simplesmente ficar parados se torna uma alternativa viável, na verdade já vimos isso em várias ocasiões e contextos, o que pode nos levar a ser liderados pelos primeiros e, pessoalmente, não me lembro de um tempo na história humana em que muito de bom tenha saído das mãos de pessoas violentas desenfreadas.


Talvez a tentativa de usar nosso córtex cerebral para refletir, para estar mais consciente do que nos acontece, para moldar nossas decisões para cuidar de nosso bem-estar e que isto não está enviando o custo disto para o bem-estar dos outros (lixar os outros), mas sim pode gerar boas “externalidades” para todos, poderia nos ajudar a enfrentar melhor um contexto desafiador, que exige aquela capacidade interna que como espécie aplaudimos tanto, mas que em momentos como estes é quando devemos baixá-la da ideologia da superioridade e usá-la para trabalhar por algo que nos permita obter melhores resultados.


É por esta razão que acredito que é hora de parar de vender e comprar tanto medo e raiva entre nós, focar no que nos afeta a todos e roubar milhões de sua paz de espírito. Talvez dessa forma, possamos deixar de ser os “certos” e começar a contribuir para que possamos estar melhor.

Conversemos

5900 Balcones Drive, STE 4000 Austin, TX 78731, USA.

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0