Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Afaste-se do medo

Todos os dias eu verifico minhas diferentes redes sociais e vejo como a cada dia há mais e mais instâncias onde as pessoas falam, compartilham conteúdo e também convidam as pessoas a contratar seus serviços. Acho isto fantástico, quanto mais aberto e democrático for o acesso ao que todos precisam ou estão procurando, melhor para todos.

No entanto, fiquei impressionado com o lugar onde essas pessoas colocam seu foco quando compartilham, recomendam ou vendem. Para que fique mais claro, vou dar dois exemplos que vi neste mesmo dia.



Pela manhã, enquanto verificava minha conta de instalação, vi um anúncio de um grupo que está ensinando como criar um comércio eletrônico para poder construir um negócio totalmente digital. Eles insistiram muito em mencionar a enorme oportunidade que existia no contexto atual, e como aproveitar este momento para inovar, gerar uma nova empresa ou impulsionar um negócio atual. Eu senti que eles conseguiram comunicar sua oferta com clareza, uma visão de oportunidade do contexto e sem aquele entusiasmo hilariante que algumas pessoas usam e que dá mais um senso de charlatão do que de profissional. Eles não o fizeram, eles pareciam sérios e transmitiram uma idéia positiva.

Há apenas alguns minutos (algumas horas após o acima exposto), vejo uma psicóloga que começa seu discurso nas redes sociais, apontando que “todos sabemos que é um momento difícil, complicado, problemático” e assim por diante com uma longa lista de adjetivos, acrescentados a um rosto e tom que depois de 10 segundos (literalmente) me fez pensar que o mundo acabaria logo, e depois continuar oferecendo cuidados psicológicos, e eu senti, de uma maneira muito pessoal, que ela era como uma pessoa que adoece o resto para depois vender “a cura”.

Esta situação me levou a escrever este post para compartilhar minha impressão de como nós pessoas iluminamos lugares que tantas vezes não nos servem, ou que no desejo de “ajudar”, muitas vezes acabam sendo mesas de som para um olhar cheio de limitações que falam mais de nosso próprio estado interno do que de uma “realidade objetiva”. É verdade que estamos enfrentando mudanças e somos desafiados a nos adaptar e responder a um novo contexto, mas daí para “gritar” nas redes sociais que tudo está indo mal parece triste e, de certa forma, irresponsável.

Cada um de nós pode escolher livremente como queremos ler e viver cada experiência e contexto, alguns deles nos ajudarão de uma maneira melhor para nossa paz de espírito e bem-estar. É verdade que o medo mobiliza a ação, mas a venda por medo me parece humanamente baixa (lembre-se, não estou julgando a colega e seus próprios medos, mas comercialmente me parece antiético). Penso que este é o momento de nos renovarmos, de nos concentrarmos no que depende de nós para aprender, melhorar, criar, evoluir, resolver nossos problemas pendentes, cuidar de nossos gostos esquecidos, ter um gostinho daquelas coisas que há 2 ou 3 décadas atrás ainda podíamos desfrutar com nossos entes queridos e que hoje, em nome do progresso, deixamos para trás para uma vida em piloto automático.

Tirar o medo de nossa mente e de nossos estados internos nos ajudará a melhorar nossa qualidade de vida, que independentemente do contexto, podemos escolher como queremos carregá-lo dia a dia, e o que você fará?

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0