Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

A vítima, o herói e o vizinho

As pessoas têm muitas maneiras de enfrentar as experiências que nos acontecem todos os dias. Desde cedo aprendemos as maneiras de nos relacionarmos com os outros, com nós mesmos e também com o que está além, seja mais dentro de nós ou mais para as alturas. Esta forma de relacionar-se nos deixa com um fato pessoal, um estilo com o qual começamos a ler o código da matriz, e entre tantas pistas, finalmente se vê o que se treinou para ver.
 
Poderíamos tomar um milhão de exemplos e analogias, porém, depois de uma conversa ontem, e pensando enquanto dirigia para o meu escritório, eu criei a imagem daquelas pessoas que vivem como vítimas de cada situação, que insistem em apontar que nada depende delas, que foram sempre as circunstâncias do contexto que geraram os resultados que obtiveram. Se eles se dão bem, é sorte, se fazem mal, é destino ou são outros. Quando é necessário tomar decisões e agir, eles não se encarregam, não tomam partido nem mesmo pelas coisas que deveriam ser mais importantes para eles, e procuram permanentemente impor a responsabilidade aos que os rodeiam. Parece que eles não existem, porque não geram nenhuma conseqüência nos resultados que obtêm, são simplesmente vítimas. Explicações abundam, desculpas poderiam ser vendidas pela libra, mas ações, decisões e auto-responsabilidade não fazem parte de seu repertório interno.
 
O interessante é que muitas vezes “a vítima” vive na mesma rua que “o herói”. Este personagem também tem seus problemas, as coisas não estão indo como ele gostaria, mas ele sente que tem o dever moral de fazer coisas para os outros, de até mesmo adiar suas necessidades a fim de dar uma ajuda aos necessitados. Ele procura ser compassivo e ativo na busca de soluções, muitas vezes assumindo o que não lhe corresponde sob seu lema pessoal de “ajudar os outros”. Sua ajuda é resoluta, não crescimento, ou seja, ele vai e faz o que a vítima deveria ter feito, não o ensina, não o empurra, não o questiona para assumir o comando, mas o justifica e o ajuda a ficar como está. Finalmente, se a vítima não vivesse no mesmo bairro, o herói não teria um emprego, seu papel de “bom”, “resoluto” e “compassivo” ficaria em segundo plano e isso prejudicaria o que ele pensa de si mesmo. Ele seria um herói aposentado e estes personagens gostam de colocar suas capas e sair ao primeiro pedido de ajuda.


Há de tudo nesta rua, mas estes dois são notados. A vítima está sempre contando suas misérias, chora alto, lamenta a cada momento, geralmente não consegue encontrar razões sustentáveis para se sentir bem e o faz sentir isso. Você pode vê-lo quando ele anda pela rua, quando ele usa a luz fraca em sua casa, quando ele carrega algumas coisas de volta do mercado, porque ele não sabe se estará vivo amanhã. Por sua vez, o herói não se sai mal, ele também o faz sentir sua posição, sua capacidade superior de ser aquele que se dá e se dá pelos outros. Muitas vezes disfarçado em um traje de falsa modéstia ele anda por aí deixando para trás algum símbolo de seu traje, alguma cor distinta, talvez uma frase que faz você perceber que ele sabe mais do que outros, que ele está em um lugar diferente, que ele tem algo que você não tem e que se você pedir ajuda da maneira correta ele pode vir em seu socorro.
 
Entretanto, há alguém que vive entre as casas de ambos, que parece não existir entre a estridência destes dois personagens. Ninguém sabe seu nome, por isso o chamam de “o vizinho”. Ele ajuda se puder, pede ajuda se realmente precisar dela. Ele faz suas próprias coisas, assim você sempre o vê chegando e indo para cumprir seus compromissos, para obter os resultados que ele está procurando, para que sua família esteja bem e as coisas corram da melhor maneira possível. É claro que ele tem problemas, é claro que ele se sente inseguro e desnorteado muitas vezes, mas sentar-se para ser lamentável não lhe convém, e andar por aí salvando todos parece irresponsável para ele. “Pode-se ajudar, mas cada um deve assumir a responsabilidade por si mesmo”, diz ele freqüentemente quando perguntado sobre os vizinhos.
 
Este personagem vive entre os dois estridentes e transmite a mesma restrição. Ele entende que a vida tem tudo, que é bom ser generoso e que é essencial assumir o comando. Que ele se esforça pelo que quer e não culpa o resto, e que ele dá o melhor de si mesmo, mesmo que às vezes isso não seja suficiente ou as coisas simplesmente não funcionem.
 
Todos nós assumimos algumas dessas posições em nossas vidas, talvez vivamos em casa para um desses três. Talvez tenhamos feito o papel de vítima, ou queremos ser o herói que pode fazer todas as coisas e salvar todas as coisas, ou talvez estejamos em uma vida mais centrada em busca de equilíbrio em nossos dias.
 
Independentemente de onde você esteja, tudo tem um preço e também vem com algum benefício. Se você não estiver ciente a tempo, pode escolher a casa errada e ficar morando em um lugar onde você realmente não quer estar.

 
Você já pensou no que você quer ser?
Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0