Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

A vida não está dividida

Embora não estejamos conscientes ou percebidos, todos nós fomos criados em um mundo cheio de divisões, que aprendemos desde muito jovens e muitos deles não acompanham toda a vida. Nos ensinam a divisão da mente e do corpo, do bem e do mal (cada vez mais relativizado), nos falam sobre como devemos viver para nos divertir, sobre a importância da prosperidade ou dos cânones de beleza que a publicidade nos vende, ensinando-nos o que é “belo” e o que é “feio”, assim como o que é desejável e o que deve ser desprezado.


Também estamos aprendendo que a vida cotidiana é uma coisa e nossa dimensão espiritual é outra. Se você fala do espiritual no trabalho, ele pode ser considerado hoje em dia como um abominável proselitismo, embora muitas outras propagandas ideológicas sejam bem vistas e promovidas em todos os cantos. Temos os espaços para a vida pública e privada, cada vez mais embaçados graças à grande exposição e uso das redes sociais.
 
Seus problemas são de uma dimensão muito diferente de suas realizações. Sua opinião política não deve ser misturada com outros espaços de interação social, ou mesmo pessoal, como se a política não tivesse nada a ver com nossa concepção de quem somos, o que queremos ser e como melhor nos desenvolvermos como indivíduos e também como comunidades. A divisão tem sido parte da maneira como somos ensinados nas escolas, da maneira como aprendemos em casa e como avaliamos nossas próprias vidas e as vidas dos outros.
 
Isto trouxe sérios problemas, pois acabamos vivendo divididos conosco mesmos, não conseguindo integrar de forma coerente o que acreditamos, sentimos e fazemos em nossas vidas. A falta de alinhamento destas três dimensões gera um ruído interno que muitas vezes não sabemos como explicar e, portanto, vemos como as patologias da saúde mental aumentam devido a uma vida fragmentada em uma sociedade que esqueceu nossas necessidades mais básicas para se concentrar no que nos é apresentado como central.
 
Assim, fizemos uma dissecção entre nossa vida diária e a espiritualidade, entendo que isto é algo do mundo privado que só fazemos quando vamos a um templo, que é compartilhado em casa com nossa família, mas não devemos sair para aqueles espaços como o trabalho, a vida social, os momentos em comunidade. Isto é um grande erro. Não estou falando de religiosidade, mas de espiritualidade, ou seja, nossa capacidade de conexão com algo maior do que nós mesmos que nos ajuda a ter sentido, um quadro de referência que nos dá apoio, maior segurança e orientação para nossa vida. Finalmente, o que é vida sem sentido maior do que nós mesmos, talvez apenas vaidade, que é o que vemos hoje em cada canto em que olhamos.
 
Devemos parar de nos dividir para seguir o caminho da integração e passar pela vida como indivíduo, ou seja, como alguém que não é possível ser dividido, que vamos com nossas crenças, emoções, espiritualidade, histórias, desejos e comportamento para todos os espaços em que fazemos parte, para nos sentirmos mais cheios e difundir sentido e plenitude aos outros.
 
É essencial que levemos a espiritualidade conosco a cada canto, em cada momento de nossos dias, porque não somos apenas cognição e emoção, mas somos também espírito.

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0