Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

A relação com as coisas

Não é surpresa para ninguém que vivamos em um mundo de consumo, onde tudo se tornou uma mercadoria, e onde até a espiritualidade é embalada para que alguém possa comprá-la como se fizesse parte de uma lista de supermercados. Desta forma, o fato de tudo se tornar comercializável traz consigo vários elementos que têm impacto sobre nós mesmos e a forma como nos relacionamos com as coisas.


Uma das idéias que surgem com este modo de vida é que se tudo pode ser negociado, então tudo tem um preço de transação. Esta situação significa que o que é valioso agora tem um preço e, portanto, seu valor é modificado pelo preço que alguém coloca sobre ele e que outra pessoa está disposta a dar para obtê-lo.
 
Isto perturba nossa concepção de valor e preço, bem como instala a idéia de que tudo pode ser “leiloado” para o “maior lance”. Esta situação implica algo mais, que as coisas que temos ou temos acesso para nos ajudar a constituir nossa identidade, e isto é muito fácil de ver quando olhamos para as marcas que usamos ou não usamos, e o que cada uma delas significa culturalmente, os lugares que visitamos, os produtos que consumimos, o que comemos, e até mesmo onde queremos estar e onde não queremos estar, Tudo isso de alguma forma nos dá informações sobre quem somos, o que nos leva a gerar um apego importante às coisas, não pelo que são, nem sempre pelo que significam, mas pelo que implicam em nossa própria identidade, em outras palavras, se perdemos o que temos, deixamos de ser quem somos.
 
Esta crença, da qual talvez discordemos com alguma facilidade, é algo que opera não apenas em nível cultural, mas na mente da maioria das pessoas de hoje. Quando o que eu sou é o que tenho, preciso segurá-lo para manter minha identidade. Entretanto, quando sabemos o que realmente somos independentes do que temos, então somos mais livres e autônomos, capazes de avançar em nossas vidas tomando decisões alinhadas a outros valores e com um propósito de maior significado pessoal e transcendência.
 
Tratar as coisas pelo que são e ver e valorizar-nos pelo que é essencial nos ajudará a crescer, a nos conhecer, a nos libertar e a poder viver com mais sentido e aliviado de cargas culturais e materiais que não nos ajudam a nos elevarmos.

Conversemos

Valencia, España

isharon@innzpira.com

Newsletter

Isaías Sharon Jirikils © 2024. All Rights Reserved.

Cart0
Cart0
Cart0